O PRINCIPIUM INDIVIDUATIONIS ENQUANTO NECESSIDADE CONSTRINGENTE: CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROBLEMA DA INDIVIDUAÇÃO A PARTIR DE SCHOPENHAUER E NIETZSCHE

GONCALVES, Thales Eduardo da Silva1; GONÇALVES, Thales Eduardo da Silva 3; SOUSA, Flávio de2;

Resumo

Introdução:A presente pesquisa teve como ponto de partida a noção de Principium Individuationis nas filosofias de Schopenhauer e de Nietzsche. O princípio de individuação, na filosofia de Schopenhauer, é o elemento que produz a percepção de que só há multiplicidades e singularidades no mundo, assim como é responsável pela consciência de individuação dos seres enquanto absolutamente idênticos a si mesmos e essencialmente diferentes dos outros. Observamos, nos escritos de Nietzsche, a apropriação e transformação desse mesmo princípio em uma heurística da necessidade constringente, que também permite a compreensão das condições de singularização dos indivíduos.

Objetivo:Analisar as noções de Principium Individuationis e de necessidade constringente nas filosofias de Schopenhauer e de Nietzsche, e especificar em que sentindo essas noções podem ser relacionadas ao problema da individuação

Metodologia:A pesquisa desenvolveu com base na leitura, fichamento e interpretação dos materiais bibliográficos indicados pelo orientador. Além disso, os resultados foram discutidos em reuniões periódicas com o orientador.

Resultados:Após compreender a formulação do Principium Individuationis, tanto em Nietzsche quanto em Schopenhauer, constatamos que existe uma relação na sua história de desenvolvimento, bem como no modo como o indivíduo é construído. A individuação trata-se de um processo que o ser humano realiza no decorrer de sua vida como uma busca de realização pela completude e potencialização da própria totalidade.

Conclusões:O Principium Individuationis precede o conceito de individualidade e formas de conhecer o mundo mediante espaço e tempo, em Schopenhauer. Já para Nietzsche Principium Individuationis é interpretado como necessidade constringente, enquanto o corpo e tudo que ele carrega, isto é, não apenas a maneira pela qual se está determinado em um tempo e espaço. Significa, então tudo aquilo que torna um indivíduo em uma singularidade. Desse modo podemos concluir que a necessidade constringente enquanto processo humano de individuação se realiza no decorrer de toda a existência, sendo responsável pela potencialização e significação da própria totalidade.

Palavras-chave:Ética. Nietzsche. Schopenhauer. Principium Individuationis. Necessidade Constringente

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador