INTERFERÊNCIAS METROPOLITANAS NO PROJETO URBANO: A INTEGRAÇÃO DO SETOR NORTE DA LINHA VERDE

DIAS, Loren Colodiano1; TAKAMORI, Camila Yaemi 3; HARDT, Letícia Peret Antunes 3; HARDT, Carlos2;

Resumo

Introdução:A Linha Verde, antigo eixo rodoviário e atual via estrutural da cidade de Curitiba, tem passado por várias situações, culminando na sua transformação funcional de caráter nacional, para local e metropolitano. Esta característica a enquadra na condição de ser uma ação localizada em um município, mas com repercussões regionais, o que é tratado especificamente como um dos pontos tratados no Estatuto da Metrópole, em especial, no que diz respeito à integração metropolitana. Como resultado de uma das mais recentes mudanças na estrutura urbana da cidade, estendendo-se dos limites norte a sul do município de Curitiba, também chegou a ser denominada como Eixo Metropolitano. O objeto da presente pesquisa é o trecho norte da Linha Verde, e a investigação se refere a sua integração com o município de Colombo.

Objetivo:O objetivo da pesquisa inserida no projeto maior fomentado pelo CNPq, é o de avaliar a relação existente e em potencial entre os espaços urbanos contíguos ao extremo norte da Linha Verde e sua configuração projetada. Trata-se de entender a repercussão, notadamente em relação à mobilidade, tendo em vista representar uma intervenção urbana sobre um ambiente supramunicipal, com fortes características metropolitanas.

Metodologia:Fundamentando-se no referencial teórico, buscou-se relacionar ações de gestão do projeto e posterior implantação de obras e outras ações complementares, que tivessem relação com diretrizes emanadas do Estatuto da Metrópole. Seu desenvolvimento utilizou métodos qualiquantitativos, adotando metodologia decorrente de análise teórico-prática sobre publicações relacionadas à mobilidade na Região Metropolitana de Curitiba. A estruturação da pesquisa segue com coleta de dados, com destaque para o uso e ocupação do solo como determinante de demandas de mobilidade, sendo avaliadas frente a diretrizes de planejamento urbano e metropolitano dos municípios em foco, que pudessem influenciar a efetividade do projeto, considerando também, dispositivos de gestão regional previstos no Estatuto da Metrópole.

Resultados:Os resultados obtidos indicam a dificuldade em atender a alguns critérios do Estatuto da Metrópole - lei relativamente recente mas já alterada em relação a prazos para aprovação dos seus Planos de Desenvolvimento Urbano Integrado -, que refletem sobre a efetividade no compartilhamento da gestão das questões comuns. Aspectos de gestão interfederativa, participação efetiva no planejamento e projeto por parte do município lindeiro, além de tópicos específicos relacionados à mobilidade, demonstraram-se ainda incipientes, ou até inexistentes. Estas deficiências repercutem intensamente sobre esta importante função pública de interesse comum, pois as demandas não conseguiram ser identificadas como respostas convergentes com o planejamento de sua implementação.

Conclusões:Ao final, pode-se concluir pela pertinência na preocupação com a integração metropolitana para uma otimização de efeitos do projeto da Linha Verde, pois os dados avaliados não conseguiram assegurar qualquer indício de avanço nesse processo. Pelo contrário, percebeu-se que praticamente todas ações relacionadas ao projeto, têm iniciativas isoladas, quer seja pelo município de Curitiba, como mentor e executor das obras; pelo município de Colombo, como território contíguo; ou até pelo órgão metropolitano, que está em situação de dramática redução de sua capacidade de resposta.

Palavras-chave:Planejamento Metropolitano. Estatuto da Metrópole. Linha Verde. Mobilidade Urbana

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador