DIVERSIDADE SEXUAL NA UNIVERSIDADE

RIBEIRO, Beatriz1; CHRISTIANO, Ana Priscilla2;

Resumo

Introdução:O presente texto foi elaborado e desenvolvido por uma aluna de graduação e supervisionado por sua orientadora. O trabalho segue o modelo tradicional, ou seja, contém Introdução, Objetivo, Método, Resultados, Discussão e Considerações finais.

Objetivo:A presente pesquisa teve como objetivo conhecer como a diversidade sexual é percebida e vivenciada por estudantes de graduação da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR – Campus Londrina).

Metodologia:Para isso, pensou-se na formulação de um questionário que englobasse perguntas voltada para a subjetividade de cada participante, assim como questões objetivas que identificasse a diversidade sexual em si. A amostra contou com 19 participantes, 2 homens e 17 mulheres entre 18 e 26 anos, estudantes dos cursos de direito e psicologia. A aplicação do questionário ocorreu individualmente, em local reservado e sigiloso. Após a coleta de dados foi realizado sua leitura e categorização com base na Análise de Conteúdo proposta por Bardin (1977). As categorias-base de análise foram heteronormatividade, experiências da sexualidade dentro do ambiente universitário e preconceitos vividos pelos participantes. A análise desses dados foi feita a partir de uma perspectiva foucaultiana de práticas discursivas e não discursivas que englobam o tema dentro da universidade.

Resultados:Dentre os resultados encontrados, o momento de descoberta e aceitação da sexualidade se mostrou significativo, sendo que 58% dos participantes consideram que se identificaram com sua orientação sexual no período da adolescência (entre 12 e 18 anos). Dentro desse contexto nota-se que a universidade não fez parte dessa descoberta, porém foi a partir dela que 42% dos participantes se sentiu confortável para expressar sua sexualidade. O estudo mostrou que a diversidade sexual é um tópico presente dentro da universidade, assim como os preconceitos, tanto explícitos como aqueles disfarçados de “brincadeiras” ou comentários maldosos. Ressaltou-se também a individualidade de cada participante, considerando aspectos como o processo de descoberta dessa sexualidade e até mesmo o que é considerado contato sexual ou não.

Conclusões: A partir dos resultados obtidos, afirma-se a necessidade de mais espaços dentro do ambiente universitário que possibilitem a liberdade de fala dos jovens quanto a sua expressão sexual. Também é importante a divulgação de informações a respeito da diversidade sexual considerando que o preconceito pode surgir a partir da falta de conhecimento sobre o assunto.

Palavras-chave: Sexualidade. Foucault. Universidade. Heteronormatividade. Preconceitos.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador