UTILIZAÇÃO DA ESCALA COMPOSTA GLASGOW SHORT FORM PARA AVALIAÇÃO DE DOIS DIFERENTES PROTOCOLOS DE ANALGESIA PÓS-CIRÚRGICA EM CADELAS SUBMETIDAS À MASTECTOMIA

BORGES, Marcelo Paulino1; SILVEIRA, Solimar Dutra 3; RORIG, Maria Cecilia de Lima2;

Resumo

Introdução:A preocupação com o tratamento da dor pós-operatória está fundamentada na prevenção de sofrimento desnecessário do paciente, além de proporcionar muitos benefícios fisiológicos. A dor pós-cirúrgica pode ser minimizada com maior facilidade quando se aplica a analgesia preemptiva, ou seja, a administração de analgésicos antes que ocorra o dano tecidual. Todavia, a associação de antinflamatórios não-esteroidais (AINES) com opióides em protocolos antiálgicos são vistos como uma forma de se reduzir as doses de cada medicamento e garantir uma abrangência maior sobre os mediadores inflamatórios. O firocoxibe é um antinflamatório não-esteroidal, inibidor seletivo da COX-2 de uso exclusivo veterinário. O carprofeno é outra opção de AINE com excelente ação antinflamatória, analgésica e antipirética. Estudos relacionam seus efeitos a inibição preferencial da COX-2. O reconhecimento da dor nos animais pode ser avaliado principalmente pela observação das alterações de comportamento da espécie. A Escala modificada de Glasgow (Short Form of the Glasgow Composite Pain Scale -CMPS-SF), permite a avaliação de seis categoriais comportamentais (vocalização, atenção à ferida cirúrgica, mobilidade do paciente, resposta ao toque, comportamento perante ao meio, postura e atividade), possibilitando assim graduar a intensidade da dor em uma pontuação máxima de 20 (se a opção mobilidade for impossível de se avaliar) ou 24.

Objetivo:O presente estudo tem como objetivo avaliar e comparar por meio de aplicação da Escala modificada de Glasgow (Short Form of the Glasgow Composite Pain Scale) a eficácia de dois diferentes protocolos de analgesia preemptiva utilizando adesivo de fentanil transdérmico associado a dois antinflamatórios não esteroidais (firocoxibe e carprofeno) para o controle de dor pós-operatória em cadelas submetidas à cirurgia de mastectomia.

Metodologia:Sendo assim, 16 cadelas participaram da pesquisa, essas foram aleatoriamente divididas em dois grupos (G1 e G2) sendo que 8 fêmeas constituíram o grupo G1 e receberam analgesia preemptiva com firocoxibe associado ao adesivo de fentanil transdérmico e outras 8 fêmeas constituíram o grupo G2 recebendo analgesia preemptiva com carprofeno associado ao fentanil transdérmico. No pós-operatório as pacientes foram avaliadas por meio da aplicação da Escala Modificada de Glasgow em 5 tempos (T1, T2, T3, T12 e T24). O resgate analgésico somente foi efetuado quando a avaliação superou os 6 pontos na escala.

Resultados:Dentre as 16 pacientes que participaram da pesquisa, 11 delas (68,75%) demonstraram controle adequado da dor, portanto, não houve a necessidade de resgate, 4 pacientes (25%) necessitaram de resgate analgésico e 1 paciente (6,25%) foi desclassificada da pesquisa.

Conclusões:Conclui-se que a Escala Modificada de Glasgow é um método útil para avaliação do grau da dor em cadelas submetidas à mastectomia e que o fentanil transdérmico demonstrou boa atuação no controle da dor simultaneamente associado a ambos antinflamatórios desde que o mesmo esteja em total aderência a superfície da pele.

Palavras-chave:Escala Glasgow. Dor. Mastectomia. Analgesia. Cadelas.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador