AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE GESTANTES

PANKIEVICZ, Karina1; MOYSÉS, Simone Tetu 3; WERNECK, Renata Iani 3; CARVALHO, Deborah 3; JIMENEZ, Edvin Javier 3; AULER, Flávia 3; RAYMUNDO, Gisele Pontaroli 3; LEINIG, Cyntia Erthal2;

Resumo

Introdução:Desfechos positivos estão associados ao ganho de peso adequado durante a gestação. O ganho insuficiente pode estar associado ao baixo peso ao nascer, ao retardo no crescimento intrauterino e à prematuridade, bem como o ganho excessivo pode associar-se à macrossomia e complicações maternas como diabetes e hipertensão gestacional, predizendo os resultados da gestação.

Objetivo:Analisar o ganho de peso gestacional e condições maternas associadas e, especificamente, levantar o perfil nutricional pré-gestacional e atual de gestantes, investigar sua relação com variáveis sociodemográficas, estado de saúde geral e gestacional, comportamentos de risco e uso de medicamentos.

Metodologia:Este é um estudo transversal, observacional e de abordagem quantitativa, vinculado ao estudo COOSMIC – Coorte de Saúde Materno Infantil de Curitiba, cujo objetivo é investigar a saúde de gestantes e crianças vinculadas à Rede Mãe Curitibana. A população do estudo incluiu o universo de gestantes a partir dos 16 anos, em qualquer momento da gestação, que frequentaram a Unidade de Saúde Mãe Curitibana entre setembro de 2018 a maio de 2019. A coleta de dados utilizou questionários divididos em blocos temáticos de perguntas, sendo os utilizados para esta pesquisa os de saúde geral e gestacional, comportamentos de risco e uso de medicamentos. O perfil nutricional foi obtido mediante coleta e avaliação de peso e estatura e classificados segundo Índice de Massa Corporal (IMC) pré gestacional (WHO,1995); IMC para idade gestacional (ATALAH et al, 1997) e ganho de peso recomendado (IOM, 1990). Para os procedimentos de análise, os dados quantitativos foram inseridos em um banco de dados no programa Excel 2010 e analisados por estatística descritiva. Para análise das associações, foi utilizado o teste ANOVA para variáveis quantitativas e o teste Qui-Quadrado de Pearson para variáveis qualitativas, com nível de significância quando p<0,05. Utilizou-se o programa SPSS 21.

Resultados:A amostra totalizou 30 gestantes. As maiores prevalências quanto à escolaridade e renda foram ensino médio completo e renda familiar em torno de R$2600,00. Mais de 50% das gestantes estão no segundo e terceiro trimestre de gestação, sendo a dislipidemia o problema clínico mais frequente. Ganharam peso acima do adequado 22 gestantes (73% da amostra). O IMC pré gestacional apresentou eutrofia em 43,3%, sobrepeso 33,3%, obesidade 20% e baixo peso 3,3%. No IMC gestacional houve aumento do sobrepeso e obesidade para 40% e 23,3%, respectivamente, e diminuição do número de gestantes eutróficas (23,3%). Os resultados estatisticamente relevantes encontrados entre ganho de peso e demais variáveis foram não possuir cardiopatias e hipertensão e o ganho excessivo de peso (p=0,014).

Conclusões:Conclusão: O ganho de peso gestacional esteve acima do adequado para a maioria das mulheres neste grupo de gestantes, sendo a dislipidemia a morbidade mais frequente. Alterações do estado nutricional podem tanto proteger como determinar agravos. interferindo sobre condições clínicas e desfechos gestacionais, sendo importante foco de atenção à saúde. Este estudo limita-se por sua análise transversal, impedindo uma relação de causa e efeito, amostra limitada e variáveis não respondidas por todas as gestantes. Estudos prospectivos para desfechos desfavoráveis associados a ganho de peso serão importantes para determinar causalidade.

Palavras-chave:Ganho de peso gestacional. Saúde materna. Estado nutricional

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador