A AUTOMEDICAÇÃO ENTRE ESTUDANTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA DO SUL DO BRASIL

LÓH, Eduarda Birck1; OLIVEIRA, Gracinda Maria D Almeida e2;

Resumo

Introdução:A automedicação pode ser definida como o ato de ingerir medicamentos sem a orientação e/ou acompanhamento de um profissional de saúde qualificado. Dentre os motivos que levam à automedicação, os mais frequentes são experiência prévia com o sintoma ou com a doença, indisponibilidade de buscar atendimento médico ou limitação financeira. Observa-se que esta prática é extremamente frequente entre estudantes, considerados vulneráveis diante da difusão de informações nas redes sociais.

Objetivo:Conhecer o perfil de automedicação entre os acadêmicos do curso de graduação em Sistemas de Informação de uma Instituição de Ensino Superior do sul do Brasil.

Metodologia:Este estudo se caracteriza como exploratório, transversal e descritivo, onde foram aplicados questionários em 81 acadêmicos do curso de graduação de Sistemas de Informação com a finalidade de avaliar a incidência da automedicação, assim como fatores a ela relacionados.

Resultados:Quanto ao uso de medicação no último ano, 71 participantes referiram ter utilizado medicamentos, enquanto 10 negaram tal prática. Dentre os 71 participantes que confirmaram o uso de medicamentos, 65 afirmaram ter praticado automedicação. A maioria dos participantes (24,7%) praticou a automedicação 12 ou mais vezes nos últimos 12 meses. Os sintomas que mais levaram os participantes da pesquisa a realizar a automedicação foram: dor de cabeça (53), gripe ou resfriado (46), dor muscular (34), dor de garganta (30). Ao analisar os dados obtidos na pesquisa, é evidente a alta frequência da automedicação entre os estudantes, mesmo entre aqueles que não pertencem à área da saúde. Os sintomas referidos pelos participantes parecem simples e não ameaçadores, contudo, o uso dos medicamentos pode mascarar enfermidades mais graves. Além de reações adversas, o uso indiscriminado de fármacos pode provocar interações medicamentosas, afetando o tratamento de outras condições clínicas. A pesquisa chama atenção para o fato de que 40% dos participantes praticam automedicação simultaneamente ao uso de outros medicamentos prescritos por médicos.

Conclusões:É fundamental que ocorra a conscientização acerca do uso indiscriminado de medicamentos não somente por estudantes, mas por todos, a fim de evitar prejuízos à saúde, aumento de hospitalizações e gastos excessivos pelo sistema de saúde pública.

Palavras-chave:Automedicação. Medicamentos. Estudantes de graduação.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador