MANUAL DE HISTÓRIA DO BRASIL: ABORDAGEM HISTORIOGRÁFICA E COMO ENSINAR/APRENDER HISTÓRIA EM TEMPOS DE DITADURA CIVIL/MILITAR

KLINGBEIL, Edward Mickael1; CORREA, Rosa Lydia Teixeira2;

Resumo

Introdução:A Ditadura Civil Militar (1964-1985) atuou na educação escolar da sociedade brasileira com ações de vigilância e repressão para deter aqueles que, de certa maneira tinham posições contrárias a então nova ordem estabelecida. Tais ações foram feitas por meio de prisões, torturas, e, em casos extremos, a morte de professores e alunos. Assim, esta pesquisa se situa no campo da História da Educação, sob a abordagem da História Cultural ao interpretar manuais escolares de História do Brasil, Edições Michalany (1981) entendidos como objetos culturais por representarem materialização da cultura escolar e que circularam naquele período.

Objetivo:O objetivo da pesquisa é a interpretação do referido manual, a fim de apreender as abordagens referentes à teoria da história, para situa-lo na cultura escolar, naquele contexto histórico e refletir acerca de sua finalidade educativa.

Metodologia:A revisão de literatura foi o primeiro passo metodológico desta pesquisa para aprimorar a compreensão da temática e do contexto em que manual está inserido. Na análise de conteúdo, foram considerados os indicies que indicam os conteúdos que os manuais abordam. Também foram selecionados trechos para digitalização de um conteúdo especifico, onde as finalidades dos mesmos se mostram de maneira mais explicita.

Resultados:Os dados obtidos no decorrer da pesquisa, por meio de análise interpretativa dessa materialidade, demonstraram a narrativa tecnicista e despolitizada. Omite eventos políticos que representam resistências de grupos sociais marginalizados da sociedade de então. Não fornecem subsídios intelectuais para que os leitores discentes dos manuais didáticos reflitam de maneira crítica acerca da história de sua nação. O nacionalismo expressado como ideologia para o fomento ao patriotismo presente nos manuais didáticos visou, tudo indica, inculcar o ideal de união, negando as desigualdades sociais da sociedade brasileira

Conclusões:O manual ao conter na narrativa uma história de conciliação de classe, impõe um poder simbólico, e, serve ao mesmo tempo, de instrumento de violência simbólica em conformidade com o ideário do período. Cumpre, juntamente com outras ações do Estado no campo educacional, a função de normatização e despolitização do escolar brasileiro que aos seus conteúdos tiveram acesso.

Palavras-chave: História da Educação. Manual Didático. Ditadura Civil/Militar. Abordagem Historiográfica. Positivismo.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador