BARREIRAS E FACILITADORES AMBIENTAIS PARA A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA AVALIADOS POR MEIO DE UM APLICATIVO: UM ESTUDO COM IDOSOS DE CURITIBA

ZANELLA, Julia Coraiola1; NASCIMENTO, Maraisa do 3; HINO, Adriano Akira Ferreira 3; HINO, Adriano Akira Ferreira2;

Resumo

Introdução:O rápido processo de envelhecimento etário populacional torna necessário o desenvolvimento de políticas públicas que englobem as especificidades características dessa população. A identificação de barreiras e facilitadores ambientais para a prática de atividade física desse grupo etário permeia uma importante melhora da qualidade de vida, diminuindo a incidência de doenças crônicas não transmissíveis e psicológicas. A ciência cidadã vem como importante ferramenta de coleta desses dados, permitindo a participação ativa do idoso no processo diagnostico e de mudança da comunidade.

Objetivo:Descrever as barreiras e facilitadores ambientais para prática de atividade física avaliados por idosos por meio de um aplicativo.

Metodologia:A amostra foi composta por 67 idosos, distribuídos em 4 quadrantes da cidade de Curitiba, com diferenças de baixo e alto walkability e renda. Após treinamento inicial dos pesquisadores envolvidos no projeto e dos idosos, o diagnostico ambiental foi realizado durante uma caminhada de 15 a 30 minutos. Utilizando um tablet, contendo o aplicativo Stanford Discovery Tool, os idosos registraram elementos que consideram barreiras e facilitadores ambientais para a prática de atividade física por meio de registros fotográficos e de voz. Posteriormente a transcrição dos relatos de voz, os registros transcritos e as fotos foram importados para o software Atlas.ti. A análise do conteúdo ocorreu a partir de um framework desenvolvido em cinco domínios: funcional, segurança, estética, uso do solo e outros. Por conseguinte, foram categorizados internamente subdomínios e códigos, permitindo uma padronização de análise sem a perda dos atributos individuais.

Resultados:A partir dos relatos foram identificados 842 registros, sendo 542 barreiras e 300 facilitadores. No âmbito das barreiras 64% se encontram no domínio funcional, 14% em estética, 11% em outros, 8% em segurança e 2% em uso do solo. Já no quesito facilitadores,42% estão enquadrados no funcional, 27% uso do solo, 19% estética, 7% outros e 5% segurança.

Conclusões:A identificação das barreiras e facilitadores relatados corroboram a necessidade de mudanças estruturais na criação e adaptação de políticas públicas, tomando como base o envolvimento direto da comunidade idosa no processo. O desenvolvimento de melhorias em aspectos funcionais, como superfície de caminhada, e de ambiente social, como paisagem urbana, mostraram se uma prioridade. Ademais, uma maior valorização dos aspectos vistos como positivos, principalmente presença de espaços verdes e uso diversificado do solo, otimizaria o transporte ativo da população, podendo tornar se um importante recurso na busca por um maior índice de atividade física e consequentemente, de qualidade de vida.

Palavras-chave: Atividade Física. Idosos. Ciência cidadã. Barreiras. Facilitadores.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador