COMUNIDADE DE AVES AQUÁTICAS E LIMÍCOLAS DO PARQUE BARIGUI, CURITIBA, PARANÁ

CABRAL, Julia Caroline Prade de Souza1; CARRANO, Eduardo2;

Resumo

Introdução:Parques urbanos possuem ambientes naturais relevantes para a manutenção de espécies silvestres, fornecendo locais de abrigo, alimentação e reprodução, especialmente para as aves.

Objetivo:Inventariar e estimar as populações de aves aquáticas e limícolas do Parque Barigui; Determinar a sazonalidade de ocorrência e ambientes ocupados; Comparar os resultados obtidos com outros estudos na região sul e sudeste do Brasil.

Metodologia:O estudo foi desenvolvido no Parque Barigui (PB), Curitiba, Paraná, através do método de Transecto Linear, percorrendo-se as margens do rio Barigui e Lago artificial, um dia/mês, entre agosto de 2018 e junho de 2019, nos períodos da manhã e tarde, totalizando 66 horas de esforço amostral. Avaliou-se também a frequência de ocorrência (FO), abundância relativa (AR) e sazonalidade.

Resultados:Considerando-se os dois ambientes amostrais do PB obteve-se uma riqueza de 26 espécies e 11 famílias, distribuídas em 18 espécies no rio Barigui e 26 no Lago artificial, sendo que todas as espécies do rio também ocorreram no lago. Deste total, três espécies de maçaricos (Tringa melanoleuca, T. flavipes e Calidris melanotos) são migratórias do hemisfério norte. Ressalta-se o registro de Mycteria americana sendo a primeira ocorrência para o município de Curitiba. Considerando-se os dois ambientes amostrados as riquezas mensais de aves variaram entre 14 e 22 espécies. Já em relação a sazonalidade obteve-se 20 espécies registradas para a primavera e 22 espécies para as demais estações do ano. A FO variou entre 9,09 e 100%, sendo que 10 espécies apresentaram frequência máxima (FO=100%) e duas espécies foram observadas em apenas uma amostragem (FO=9,09%), as demais 14 espécies apresentaram frequências variando entre 18,1 e 90,9%. Com base no Status de Ocorrência, as espécies foram categorizadas, sendo 15 consideradas “Frequentes”, três “Comuns”, quatro ‘Escassas”, duas “Raras” e duas “Ocasionais”. Na estimativa populacional das espécies, obteve-se 3.464 exemplares para o rio Barigui e 6.959 exemplares para o lago artificial, totalizando 10.423 exemplares para o PB. As quatro espécies mais representativas foram: Vanellus chilensis com 3.449 exemplares, Gallinula galeata com 1.883, Nannopterum brasilianus com 1.648 e Phimosus infuscatus com 1.267 exemplares. As maiores abundâncias de espécies foram obtidas para o lago artificial e no período da tarde, em razão de um dormitório coletivo de aves localizado neste ambiente.

Conclusões:Notadamente a riqueza específica e estimativa populacional de aves aquáticas e limícolas do PB são influenciadas pela sazonalidade, variando também de acordo com os dois ambientes, e nos diferentes períodos amostrais, manhã e tarde. Todavia, a maior heterogeneidade de ambientes e o dormitório coletivo no lago influenciaram nesses resultados, os quais necessitam ser melhor compreendidos em estudos futuros. Desta maneira, a obtenção de novas informações pode auxiliar uma melhor compreensão da biologia dessas aves, através de estudos mais longos e detalhados, enfocando não apenas riqueza e abundância, mas também aspectos reprodutivos, ecológicos e comportamentais desses e de outros grupos de aves, contribuindo, mais efetivamente, para futuras medidas de manejo e conservação.

Palavras-chave:Rio Barigui. Maçaricos migratórios. Mycteria americana. Vanellus chilensis. Conservação

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador